Siga-nos

Assistentes de voz: evolução à vista no Brasil

Assistentes de Voz

Assistentes de voz: evolução à vista no Brasil

Executivos apostam que 2020 será o ano da popularização dos assistentes de voz no país. NewVoice Summit debate o tema

O cenário brasileiro para o uso de soluções de voz ganhou contornos novos nos últimos três meses do ano passado. Fatores como a chegada da versão em português da Alexa e dos dispositivos Echo, pelo lado da Amazon, e dos primeiros smart speakers (Nest Mini) do Google abrem boas perspectivas para o crescimento deste mercado por aqui. Atrelado a ele, cria-se também grandes expectativas sobre o desenvolvimento de produtos e soluções para o ambiente de casa conectada comandados por voz.

José Ricardo Tobias, head da Positivo Casa Inteligente, avalia que a presença dessas soluções ajudará a fortalecer o mercado de tecnologia de voz brasileiro. Para ele, 2020 deve ser marcado pela popularização definitiva dos assistentes de voz no país.

“O público brasileiro terá cada vez mais contato com essa tecnologia, e encontrará mais interfaces para comando de voz em seu dia a dia e mais casos de uso viáveis para a solução”, aponta.

Para Barbara Toscano, head de Marketing da LG Electronics do Brasil, o mercado vive a expectativa de evolução da tecnologia de voz no país e no mundo, o que ficou bem claro durante a Consumer Electronics Show (CES 2020), em janeiro, nos Estados Unidos.

“A tendência é que as soluções de voz estejam ainda mais presentes nas casas conectadas, com o intuito de revolucionar a forma como as pessoas se relacionam com os eletrodomésticos”, acredita Barbara, citanto o exemplo de condicionadores de ar, máquinas de lavar, televisores e caixas de som controlados por comandos de voz.

Roberto Oliveira, CEO da Take, aposta em uma forte tendência de crescimento do número de usuários de assistentes de voz como a Alexa e, sobretudo, o Google Assistente devido a sua presença de forma nativa nos smartphones Android. “Isso facilita muito o acesso dos usuários”, observa, lembrando que o uso da voz já é muito comum também em chatbots de call centers.

“A grande vantagem da voz é democratizar totalmente o acesso ao chatbot, pois, até mesmo as pessoas que não sabem escrever, que é um público muito grande no Brasil, conseguem interagir por voz”, comenta Oliveira, lembrando que falamos muito mais rápido do que escrevemos. “Tudo que melhorar a experiência do cliente deve ser uma prioridade para as empresas”, acrescenta.

Oportunidades com a voz

A evolução dos aplicativos e soluções de voz aqui, claro, abrirá uma série de oportunidades para as empresas e para os seus negócios. Segundo Tobias, existe uma forte correlação entre a adoção de assistentes de voz e a tecnologia de smart home. Para ele, a sinergia entre as duas tecnologias alavanca ambas mutuamente.

“Além da oportunidade com negócios ligados a hardwares IoT compatíveis com os assistentes de voz, a popularização do comando de voz deve abrir oportunidades de novos modelos de negócio, novos serviços e novos modelos de contratação desses serviços”, observa o executivo da Positivo Casa Inteligente, para quem a parceria com os assistentes de voz é fundamental para democratizar as soluções de smart home.

Barreiras no caminho

Apesar da tendência de crescimento das soluções de voz, essa jornada ainda enfrenta algumas barreiras. E para superar é preciso que as empresas invistam em campanhas de conscientização e na usabilidade dos devices para torná-los mais próximos das pessoas, como ressalta Barbara, da LG, apontando como outro ponto negativo a qualidade da internet no país.

“Grande parte dos consumidores ainda não é familiarizada com a funcionalidade, ou ainda possui a visão de que a tecnologia é algo muito distante de sua realidade”, comenta a executiva, acrescentando que os aspectos culturais também precisam ser avaliados pelas empresas.

Para Tobias, da Positivo Casa Inteligente, existem três grandes barreiras a superar: a conscientização do consumidor sobre a existência da tecnologia; a sua educação sobre a usabilidade e os seus benefícios; e o custo e oferta de dispositivos que incorporam a tecnologia de voz.

“Atualmente qualquer smartphone já embarca assistentes de voz, mas smart speakers são grandes propulsionadores de uso. E no mercado brasileiro, por ora, temos somente alto-falantes inteligentes das marcas dos próprios assistentes, com custos já bastante razoáveis, mas ainda com pouca presença no varejo e possibilidade de melhora considerável de custo”, comenta.

Além do quesito educação do consumidor, Oliveira, CEO da Take, aponta um outro fator crucial para o sucesso dos assistentes de voz no mercado brasileiro: a qualidade do conteúdo que eles incorporam. “Esses serviços precisam ser muito bem feitos, pois se o usuário utiliza e tem uma má experiência pode queimar o produto”, diz.

A evolução do mercado de assistentes de voz, suas plataformas e tendências, além de cases de uso no país, são alguns dos temas que estarão em debate no NewVoice Summit 2020, evento 100% VOICE-FIRST, que o NewVoice promoverá, em São Paulo, no dia 8 de abril. A venda de ingressos já está disponível no site do evento.

Clique para comentar

Deixe suas impressões

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Mais notícias de Assistentes de Voz

Topo